sábado, 21 de março de 2015

Desperta


(Photo Manipulation Creativity, em: smokingdesigners.com)
Despertei
Enfim
E percebi
Todos se foram
Fiquei com sonhos inúteis
Com os meus amores vãos
Tu(do) é calma agora
Saciada de des(prazeres)
Espalhada
Em pedaços
Coláveis
Mas não isentos
Do que se foi
Ou não foi
Lavrada
Camada por camada
Desci
Degrau-a-degrau
Estou a descoberto
Na rua
Sinto-me pequena
Resumida
Porém localizada
Sei de mim
Dos meus centros
Das minhas periferias
Dos meus espaços organizados e tranquilos
Dos meus tempos tempestuosos
Sou, na maior parte, o que sempre fui
Contudo descobri lugares novos aqui
Pude me observar
De um ângulo novo
Conclui pequenas tarefas
Percebi-me inacabada mesmo assim
Visitei meu desconhecido
Tive esperança de poder me reinventar dali
De encontrar meu mapa
De me dar um rumo
De elaborar a mensagem exata
E facultar a mim
O resultado de todo este processo
De justificar meus vazios
Minhas ausências
Meus casos eternos
Minhas muitas idas e voltas
De compreender o porquê das falhas
De curar as frustrações
Visitei-me
Li meus pensamentos
E tentei ler os teus
Mas, os codificou com mistérios
E recusas
E medos
E dúvidas
Rasgou meu céu
E descobri que não há inferno longe
Que há inferno último
Que surtamos com olhares profundos
Gozamos com vistas de soslaio
E morremos sem sermos vistos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário