sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Entre Sonhos e Pesadelos - A Morte

Resultado de imagem para pablo picasso fase negra
(Pablo Picasso - Still - Le Pichet Noir et la Têde Mort - )

Após passar pelos caminhos
Da escuridão que fratura o obscuro
E da plena luz que cega
Cheguei 
Ao que pra muitos é o paraíso
Um lugar bonito
Colorido
E as cores
Que cores
Árvores novas
Tão antigas
Flores nada convencionais
As folhas
Camas para universos inteiros
E as cores
Aquele rosa que decora quartos infantis
Aquele verde que só vemos na primavera
O chão como um tapete 
Limpo e aveludado
Os moradores daquele lugar
Poucos
Não me esperavam
Tentaram me agradar
Por alguma razão
O que não entendi de pronto
A mulher
De meia idade
Bonita e ignorante
Quase superficial
Tentava me conduzir
Naquele espaço de beleza impar
A casa parecia vazia
Ela era o mundo
Um mundo
Não tinha móveis
Não tinha amor
Mas o jardim
No jardim
Tudo era lindo
Enorme
Vasto
Imprevisível
Reino de uma brisa suave e permanente
De um sol que aquecia sem queimar
Os galhos daquelas árvores vivas me apanharam
Eu
Uma mancha negra
Naquele arco-íris
De súbito
Livraram-me das garras da mulher vazia
Na qual habitava apenas uma semente
Prestes a morrer
Que a movia
E lhe dava
Realmente
Vida
Havia também um homem
Ele era silencioso
Quase triste
Mas estava lá
Guardava a semente
Que mantinha a mulher viva
A alimentava
A desviava de mim
Enquanto a mulher me desviava dele
Mas a semente era a minha busca
Inconscientemente
Eu a queria
O jardim apreciava a semente
Ela o mantinha 
Leve
Limpo
Lindo
Não tinha ele a intenção de entrega-la a mim
Distraia-me com suas cores e movimentos
Com seus aconchegos mirabolantes
Mas a semente não fugira
Ela não temia nada
Sabia que seu destino era certo
Eu não havia compreendido
Por que motivo estava ali
Sentia-me bem naquele lugar
Era onde eu deveria estar
Tive vontade de permancer
Pensei comigo
É estranho
É bom
Muito bom
É um sonho
E uma voz me disse
Não é um sonho
Você e esse lugar existem
Estão aqui
São
Eu perguntei àquela voz 
Que parecia vir daquele céu azul
repleto de núvens
O que eles temem?
Tudo parece perfeito
Aqui há felicidade
Então do que eles têm medo?
A voz me respondeu
De ti
Da morte
Questionei
Por que de mim?
Que tolice
Tudo aqui é vida
A voz
Você não
Eu não o quê?
Não sou viva?
A voz
Não
Você é a semente
E a semente é a morte

Nenhum comentário:

Postar um comentário