quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLXIII

Azul, ocre, telha
Cinza, verde
Amarelo, madeira
Rosa, branco, preto
Vermelho, púrpura
Dourado, papelão
É o que e como vejo o hoje

Trinta de Setembro

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLXII

O que não tem jeito
Já está decidido
Não percamos mais tempo
Com o que não mais nos é 
Pertencido

Vinte e Nove de Setembro

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLXI

A única paz possível
Agora
Seria a da morte
A permanente condição
É a minha máxima sugerida
Ainda que 
Não me sinta no direito
Ainda que
A prática da revogação
Não me seja permitida

Vinte e Oito de Setembro

domingo, 27 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLX

Fui obrigada 
A lavrar a honra
A obstinar-me
Com os limites
Ocultados na oração
E no íntimo conflito
A silenciar a palavra
Silenciada uma vez mais
A contemplar uma pauta
Que não me satisfaz

Vinte e Sete de Setembro

sábado, 26 de setembro de 2015

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLVIII

A liberdade me condenou
Minha vida não santa
Agrilhoou-me
Marcou-me com seus ferrões
Atuou sobre a miséria
Do meu corpo
E através da moça branca
O Anjo Azul
Tão tolo...
Moeu meu coração
E (quase) me matou

Vinte e Cinco de Setembro

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLVII

A esperança na encruzilhada
Apega-se a fervura negada
Foge da vontade
Pede independência
Lamenta a não ação
Mas, a derrota é a lei do chão
Onde caí
Implorando que a leitura feita
Sobre nossos nós
Não terminasse assim

Vinte e Quatro de Setembro

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLVI

Causa da aflição:
A brincadeira
A cegueira
A chama interior
A conformação
A cruz da cor
A curva no nível do olhar
A defesa do antigo e do novo
Ambos desconhecidos
A demora apressada
A dor da despedida
A ânsia da chegada
E a entrega sem restrição

Vinte e Três de Setembro

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLV

Guardo tua imagem
(Re)invento teu corpo
Só assim você (sobre)vive
Em mim...

Vinte e Dois de Setembro

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

domingo, 20 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLIII

Calada palavra a arder dentro
Febre de silêncio
Alheia linguagem
Voz iracunda
Canto lento
Ledo canto
E eu
Em fogo
Queimo

Vinte de Setembro

sábado, 19 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLII

Desconhecido sopro
Vento que se deixa
Levedado de alegria
Em agonia

Dezenove de Setembro

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Partes Mínimas CLI

Nenhum outro corpo cabe no meu
Teus dedos fazem meus contornos
Tuas palavras rasgam os meus véus
Somente teu olhar me descortina

Dezoito de Setembro

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Partes Mínimas CL

Os passos que meus silêncios dão
Voltam-se todos
Para as tuas pálidas e cálidas mãos


Dezessete de Setembro

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXLIX

Meu desejo?
Morrer na tua boca
Saciar-me em tuas mãos 
Mendiga que sou

Dezesseis de Setembro

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXLVIII

O amor ainda se permite em mim
A ternura sucumbida
Ainda opõe resistência

Quinze de Setembro

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXLVII

Espere...
Guardo toda a luz
Que em teus olhos vi
Tranquila
Deixo-te
Permanecer em mim

Quatorze de Setembro

domingo, 13 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXLVI

Sete notas desbotadas
Compram músicas desafinadas
E sons corrompidos
Pela (des)ilusão

Treze de Setembro

sábado, 12 de setembro de 2015

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXLII

Cercas invisíveis
Sempre escravos
Da senzala ao manicômio
Do castigo ao crime
Do disciplinamento a domesticação

Nove de Setembro

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXLI

Contra a fome de vida
Encontre-se
Contra a covardia
Coragem
Contra o medo
Não fuja
Contra a miséria
(Sobre)Viva
Contra a morte
Conheça o corpo e a alma o amor

Oito de Setembro

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXL

O que eu sinto:
É confuso;
É doloroso;
É assustador...
Mas, é lindo!
Talvez só me caiba sentir.

Sete de Setembro

domingo, 6 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXXXIX

Transitamos
Num espaço-tempo secreto
Sem fim
Sem começo
Exceto nos relógios das fábricas

Seis de Setembro

sábado, 5 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXXXVIII

O tempo
Supomos vê-lo passar
Seja como for
O tempo medido
É tempo perdido
Cinco de Setembro

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXXXVI

Não sou só uma pretensão
Estou predisposta ao (re)novo
A desobedecer as receitas prontas
A não acontecer
Como almoço de domingo

Três de Setembro

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXXXV

Seu sabor não é acre
Nem desagradável
É dos quais não se tem queixas
E que verdadeiramente permanece na boca
Tem o tempero certo
Na medida certa

Dois de Setembro

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Partes Mínimas CXXXIV

Estou oposta ao desejo de alegria
Que me inspira teu olhar
Com a intensidade além
Daqueles que tem amor

Primeiro de Setembro