terça-feira, 26 de julho de 2016

Partes Mínimas CCXXXVIII

Corri como um rio
Fui leito e margem
Deixei de ser
No persistente vai-e-vem
Fui pedra rolada
Sou seixo em que a água não penetrou
Como dívida não paga
Fui pecado cometido que não se cumpriu
Sou saldo devedor 
Como ovo de pássaro indisposto a nascer
Fui aborto de voo com pena de asas
Sou fluxo fluido que secou
Vinte e Seis de Julho de 2016



quinta-feira, 7 de julho de 2016

Partes Mínimas CCXXXVII

Diante das tragédias alheias
Paramos
Saímos de nós mesmos
Observamos por alguns instantes
Ás vezes
Crispam-nos suas dores
Até choramos
Mas o sofrimento nunca é pela tragédia em si
Ou por suas vítimas
Todo o lamento é apenas pelo seu fim
Quando se findam os grandes dramas
Quando as dores que não nos pertecem terminam
Somos obrigados a retornar
Às nossas míseras sofrências cotidianas
E não vemos nada de grandioso nisso
Sete de Julho de 2016

domingo, 3 de julho de 2016

Partes Mínimas CCXXXVI

Há uma dor 
Concentrada entre meu pescoço 
E meu abdômen
Uma dor 
Comprimindo meu peito
Dificultando minha respiração
Congestionando minha voz
Deixando meus olhos inchados 
E vermelhos
Dor
Tirando meu sono 
Poderia ser o início de uma pneumonia
Mas... É amor. 
03 de Julho de 2016